Eugénio Amorim

Notas Biográficas


Eugénio Amorim nasceu em 1963 em S. João da Madeira, tendo vindo a concluir no Conservatório de Música do Porto os Cursos Superiores de Piano e Composição.

De 1988 a 1993 frequentou a Escola Superior de Música de Würzburg (Alemanha), tendo aí obtido o Bacharelato em Direcção de Orquestra e a Licenciatura em Música Sacra.

Foi Maestro do Coro da Sé Catedral do Porto de 1994 a 2010, tendo nesse contexto dirigido a Orquestra Clássica do Porto, a Orquestra do Norte, a Orquestra "Brandon Hill" de Bristol, a Orquestra Sine Nomine, a Orquestra Sinfónica de Zlin e o Ensemble de Música Antiga Musica Florea de Praga e promovido a edição de dois CD's com música portuguesa.

Da actividade como compositor, refira-se aqui algumas obras, como "Te Deum"(1998), "Joie" para Órgão solo (2000), "Nós vos louvamos (Te Deum em português)" para Soprano e Tenor solos, Metais e Coro (2001), "Stabat Mater" para Coro, Percussão e Órgão (2001) apresentada pelo Norddeutscher Figuralchor.

Em Dezembro do mesmo ano foi apresentado "Um Natal Português", um composição colectiva, composta em conjunto com Carlos Azevedo, Fernando Lapa e Fernando Valente, para Soprano solo, Coro e Orquestra, sobre melodias populares de Natal portuguesas.

Em Julho de 2002 foi estreada no âmbito do Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim "Danças com Mar" para Orquestra, entretanto já editada em CD e em partitura.

Em 2003 foi estreada no Festival de Órgão de Mafra "E-motion" para dois Órgãos históricos e em 2004 a obra "4:3 – Dopo un film di" para 2 Pianos a 4 mãos e 3 solistas, para o Festival Black & White de 2005, ou ainda "Repercussio" para Marimba, Gong e Órgão.

Em 2006, foi apresentada no Festival Internacional de Órgão de Lisboa "Actions de Grâces" para Soprano, Flauta e Órgão; neste mesmo ano foram apresentadas "Hommage" para piano solo, "Laudate Pueri", pelo Coro de Crianças do Círculo Portuense de Ópera e um conjunto de obras para a liturgia, apresentadas na missa de comemoração dos 250 anos da Região Demarcada do Vinho do Porto, com transmissão televisiva da RTP (encomenda do Ensemble Vocal Canto Nono).

Em 2007 foi estreada a obra composta para acompanhar a recitação dos mistérios dolorosos do Rosário, na sequência de encomenda da Ordem dos Frades Menores Franciscanos do Porto, para Barítono solo, Coro misto, Quinteto de Metais e Órgão e ainda "Rorate Cæli" para Coro de Crianças e Órgão.

Em 2009 escreveu algumas pequenas obras para o mesmo tipo de agrupamento, de que destacaria "Ave Regina cælorum".

Em 2011 compõe "Ave Maria" para Coro a cappella e "Omnia tempus habent" para Coro a cappella (encomenda do Coro Anonymus), em colaboração com António Serginho "Onde param as castanholas" para Banda Sinfónica (encomenda do serviço educativo da Casa da Música), e ainda "Pergunto ao tempo..." para Tuba e Acordeão (encomenda de Sérgio Carolino).

Escreveu ainda as 5 pequenas peças para Piano solo, que serão peças obrigatórias do Concurso de Piano da Academia de Música Fernandes Fão de Vila Praia de Âncora e no ano de 2013 "Até morrer, amar é padecer" para sexteto de cordas (encomenda do Lusitanæ Ensemble) e "O Infante", sobre texto de Fernando Pessoa, para Coro a Cappella, (encomenda do Coro Anonymus), para além da edição em CD da obra "Pergunto ao tempo..." para Tuba e Acordeão.

A sua actividade extende-se ainda à investigação no âmbito da Música Portuguesa, sendo neste contexto membro do CITAR – Centro de Investigação em Ciências e Tecnologias das Artes da Universidade Católica Portuguesa.

Encontra-se neste momento a concluir Doutoramento em Musicologia histórica, na Universidade Católica Portuguesa, com uma tese sob a música sacra em Lisboa na primeira metade do Séc. XVIII.

Foi membro da Comissão Instaladora da Escola das Artes, onde leccionou desde a sua fundação até 2003. Lecciona actualmente na área de Composição da Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo do Instituto Politécnico do Porto.